Avaliação da Função Diastólica em Pacientes com Cardiomiopatia Restritiva e Pericardiopatia Constritiva

As cardiomiopatias restritivas incluem uma série de doenças que afetam o miocárdio e provocam restrição ao movimento deste, com progressiva redução das funções sistólica e diastólica. Exemplos de doenças restritivas: amiloidose e sarcoidose.

A maioria dos pacientes em estágios iniciais da doença tem disfunção diastólica graus 1 e 2. Com o avanço da restrição, a disfunção diastólica progride para o grau 3, com valores de referência, usualmente, um pouco mais acentuados, em relação às alterações observadas em outros tipos de cardiopatias com enchimento de padrão restritivo, a saber:

  • Relação E/A > 2,5
  • Tempo de desaceleração da onda E < 150 mseg
  • Tempo de relaxamento isovolumétrico < 50 mseg
  • Redução das velocidades e’ septal e lateral do anel mitral (3 – 4 cm/s)
  • Volume atrial esquerdo indexado > 50 mL/m²
  • Relação E/e’ > 15

Na pericardiopatia constritiva, o miocárdio encontra dificuldades para relaxar, porque o pericárdio é quem impede o correto relaxamento do ventrículo esquerdo (VE) e então observamos algumas particularidades:

  • O pericárdio doente restringe a movimentação do anel mitral lateral, que evolui com velocidade de deslocamento menor que a porção septal do anel. É o que denominamos annulus reversus (já que normalmente o esperado é que o anel lateral tenha velocidade de deslocamento maior).
  • Por este motivo, não devemos utilizar a relação E/e’ média ou E/e’ lateral para estimar os valores das pressões de enchimento do VE. Estuda-se a possibilidade de utilizar apenas a relação E/e’ septal para este fim.

Observação: outras condições, como doença arterial coronariana (com alteração da contratilidade segmentar do VE), podem afetar o deslocamento do anel mitral e produzirem o padrão de annulus reversus. Discutiremos estes casos específicos em outros posts.

Paciente com cardiomiopatia restritiva (amiloidose). Padrão de enchimento restritivo, com E/A > 2,5; mapa polar com preservação apical; Doppler tissular com marcada redução das velocidades de deslocamento do anel mitral. Disfunção Diastólica grau 3.
Casos de pericardite constritiva. Acima, um caso de pericardite tuberculosa, com formação de traves fibrosas entre as duas lâminas pericárdicas (parietal e visceral). Observem que o ventrículo esquerdo possui músculo de aparência saudável, com boa contratilidade em todos os segmentos, com anel mitral septal mais móvel, em relação ao lateral, que está aderido ao pericárdio doente. Abaixo, outro paciente com pericardite constritiva, em que é possível observar pericárdio hiperrefringente e espessado, com miocárdio normal. 
Caso de paciente com miocardiopatia restritiva (amiloidose). Notamos hiperrefringência e aumento da espessura das paredes miocárdicas, com redução da sua capacidade contrátil, difusamente, devido à infiltração amiloide. 

Para mais conteúdo como esse, continue acompanhando nosso blog!

0 0 voto
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks inline
Ver todos os comentários
0
Adoraria lhe escutar, por favor, comente.x
()
x