Relato de Caso: Cardiotoxicidade induzida por Quimioterápico

Já é bem documentado na literatura o efeito tóxico de alguns quimioterápicos para o músculo cardíaco. Nesse contexto, o seguimento ecocardiográfico é de extrema importância, sendo a técnica de speckle tracking fundamental na detecção precoce da disfunção miocárdica nesses pacientes (tema recentemente abordado aqui no Blog).

Vamos exemplificar, através do resumo do trabalho de conclusão de curso (TCC) do nosso egresso da pós graduação, Dr. Rafael Morais, como isto acontece na prática.

  • Relato de Caso: paciente do sexo feminino, 54 anos, com diagnóstico de carcinoma de mama, iniciou regime quimioterápico com Doxirrubicina (antracíclico), sendo orientada a realizar ecocardiograma transtorácico antes do início da quimioterapia.
Exame pré tratamento: FE Simpson 60%, Strain Longitudinal Global (SLG) do VE 18,8%

No terceiro mês após o início da quimioterapia, a paciente realizou novo ecocardiograma. Na ocasião, encontrava-se sem sintomas cardiovasculares:

Exame de controle após 3 meses: FE Simpson 57% e SLG do VE 15.9%

Neste momento, ficou documentado uma redução de 15,4% (18,8% —> 15.9%) do SLG do ventrículo esquerdo em relação ao exame basal, preenchendo, desta forma, critério para cardiotoxicidade induzida por quimioterápico. No sexto mês após o início da quimioterapia, a paciente retornou para realizar novo controle ecocardiográfico.

Exame de controle após 6 meses: FE Simpson 39,9% e SLG do VE 12.8%

Após 6 meses do início do tratamento quimioterápico, a paciente apresentou disfunção ventricular esquerda, detectada pelo método de Simpson, contudo esta alteração já havia sido documentada, ainda em fase subclínica, pelo Strain Longitudinal Global do VE. A seguir, uma tabela com os parâmetros ecocardiográficos identificados durante o seguimento da paciente:

A incidência de cardiotoxicidade induzida por quimioterápicos em adultos é estimada em 40%. A taxa de mortalidade em doentes oncológicos que apresentaram cardiotoxicidade é elevada (superior a 60% em dois anos). Tal desfecho clínico pode ser evitado com prevenção e detecção precoce. Alguns fatores de risco estão associados à maior chance de cardiotoxicidade precoce ou tardia por antraciclinas, tais como:

1- Indivíduos em idade menor que 18 anos ou maior que 65 anos;

2 – Sexo feminino;

3 – O dano é maior quando a dose cumulativa é excedida;

4 – Duração de administração rápida;

5 – Doenças cardiovasculares prévias (hipertensão arterial, doença arterial coronariana.

A insuficiência cardíaca é a complicação cardiovascular mais temida relacionada à quimioterapia, porém outras manifestações cardíacas também são possíveis, como pericardite e alterações estruturais valvares. Uma redução de 10% da fração de ejeção abaixo do limite inferior da normalidade, bem como diminuição de 15% do Strain Longitudinal Global do VE caracterizam o acometimento miocárdico induzido por quimioterápicos.

Para mais conteúdo como esse, continue acompanhando nosso blog!

4.5 2 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais votado
O mais novo Mais velho
Feedbacks inline
Ver todos os comentários
GUY EUGENIO SANT ANA DOS SANTOS

Pergunta. A paciente havia realizado algum outro ttto, o tinha alguma história pregressa antes do exame basal? Porque a meu ver apesar do strain ainda normal, já havia alteração inespecífica de deformação, inclusive bem região que primeiro apresentou sinais com aspecto de fibrose no segundo exame

José M. Del Castillo

Sim Dr Eugenio, a paciente era hipertensa e tinha alteração difusa do strain

2
0
Adoraria lhe escutar, por favor, comente.x
()
x