Takotsubo: relato de caso

Quem já fez plantão em pronto socorro muito provavelmente já se deparou com algum caso de Takotsubo, afinal esta condição não é tão incomum assim. Não é verdade?

Contudo, pesquisando na internet temas interessantes para o blog (tarefa que não é tão fácil como parece rsrsrs), achei este relato de caso que aposto que irá surpreender até mesmo aquele caricato colega médico conhecido por ser pé frio nos plantões (afinal, quem não tem um amigo assim?!). Então vamos nessa…

Mulher, 21 anos, previamente hígida, é admitida no pronto socorro com queixa de dor torácica típica associada a sudorese profusa e dispneia. Informava um estilo de vida ativo e negava uso de substâncias ilícitas. Ao exame físico, chamava atenção apenas aumento da pressão arterial (170×100 mmHg).

Eletrocardiograma demonstrou taquicardia sinusal e onda T negativa ampla difusa. Exames laboratoriais com aumento significativo de troponina ultrassensível (3.2 ng/mL – normal: < 0.026 ng/dL). A paciente foi encaminhada para unidade coronariana por quadro de síndrome coronariana aguda, contudo o diagnóstico diferencial de miocardiopatia hipertrófica (sobretudo a forma apical) foi aventado em decorrência das alterações eletrocardiográficas presentes.

O cateterismo foi prontamente realizado, sem evidência de doença arterial coronária obstrutiva, apesar da presença de fluxo lentificado na artéria descendente anterior (achado consistente com disfunção microvascular):
Enchimento normal da artéria marginal até o apéx (seta vermelha), enquanto que a artéria descendente anterior ainda está com enchimento parcial (seta verde).

O ecocardiograma realizado à beira do leito evidenciou acinesia dos segmentos médio e apical do ventrículo esquerdo com disfunção sistólica moderada (FE Simpson 40%).

Até aqui, tudo bem! Sem nada fora do que habitualmente vemos nesse contexto clínico. Porém, se você olhou com um pouco de cuidado, já é possível identificar o que de interessante este relado tem. Perceba que, além da alteração segmentar característica no ventrículo esquerdo, há também algo diferente no ventrículo direito.

Foi observado a presença de acinesia apical também no ventrículo direito, com comprometimento da função sistólica desta cavidade.

Janela Apical 4C com acinesia apical do ventrículo direito

Após estes achados, o diagnóstico de miocardiopatia por Takotsubo biventricular foi a principal hipótese diagnóstica e foi solicitado ressonância cardíaca:

RM Cardíaca: cine 4C com acinesia dos segmentos médio e apical do VE e discinesia da parede livre do VD (segmento médio).

A presença de edema miocárdico na sequência em T2 e ausência de realce tardio nos segmentos apicais são achados clássicos da síndrome de Takotsubo com acometimento biventricular.

RM cardíaca demonstrando edema miocárdico

A paciente evoluiu com episódios paroxísticos de aumentos severos da pressão arterial, bem como comportamento resistente desta ao tratamento instituído. Por essa razão, foi feito rastreio para hipertensão secundária e dado o diagnóstico de feocromocitoma por aumento das metanefrinas urinárias e tomografia com achado de uma massa heterogênea bem definida na glândula adrenal direita.

Diagnóstico final: síndrome de takotsubo biventricular secundária à crise induzida por feocromocitoma.

5 9 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais votado
O mais novo Mais velho
Feedbacks inline
Ver todos os comentários
Jose

Excelente diferente (raro) caso de Takotsubo, surpreendente por ser paciente jovem e ainda mais secundário a feocronocitoma! Muito bem demonstrado em todos os aspectos!

Djair Brindeiro Filho

Excelente Caio. Parabéns!!!

2
0
Adoraria lhe escutar, por favor, comente.x
()
x